CANÁBIS RECREATIVO NA TAILÂNDIA: Será que um sonho se tornou realidade?


Um artigo por team

Em Junho de 2022, o governo tailandês decidiu dar um milhão de plantas de canábis à população.  E, embora na ausência de uma lei clara sobre a matéria, legalizou efetivamente o uso da canábis.

Esta é a notícia que saltou para a ribalta, ganhando visibilidade nos meios de comunicação social em todo o mundo e subindo ao pódio entre as buscas mais feitas na internet. Depois, como na mais clássica palavra de boca em boca, as redes sociais fizeram com que o tema se espalhasse incessantemente, atingindo todos os cantos do planeta. A terra dos sorrisos, com os seus templos budistas, praias celestiais e cozinha de renome, parece assim ter ganho o título de primeiro país asiático a abrir as suas portas à legalização da Cannabis recreativa. Mas será que as coisas são mesmo assim? Vamos tentar lançar alguma luz sobre a notícia.

A HISTÓRIA ATÉ AGORA

A Tailândia, assim como outros países do sudeste asiático, conduziu durante décadas uma política de repressão dura contra os narcóticos, utilizando a chamada “Guerra às Drogas” como um verdadeiro cavalo de batalha por parte das instituições. Estão previstas sanções muito severas tanto para os produtores como para os utilizadores de substâncias ilícitas. Especificamente, a legislação tailandesa divide esta última em cinco categorias:

  • Categoria 1: narcóticos altamente perigosos, tais como a heroína
  • Categoria 2: narcóticos comuns tais como morfina, cocaína e codeína
  • Categoria 3: estupefacientes sob a forma de medicamentos baseados em substâncias da categoria 2
  • Categoria 4: produtos químicos utilizados na produção de narcóticos da categoria 1 ou 4, como o anidrido acético
  • Categoria 5: narcóticos que não são abrangidos pelos anteriores como o ópio e a canábis (até agora…)

As sanções ao abrigo da Lei dos Narcóticos pela produção, importação, exportação, venda, ou posse de narcóticos sem uma licença relativa à categoria 5 incluem uma sanção de até 1.500.000 Baht (40.500 euros) e prisão de até 15 anos.

O PONTO DE VIRAGEM DE 2022

Os resultados obtidos em Junho do ano passado são um impacto direto das promessas anunciadas durante a campanha eleitoral de 2019. Anutin Charnvirakul, o atual Ministro da Saúde e figura de proa do Partido Bhumjaithai, deixou claro desde o início que “a marijuana não é uma droga que deva ser ilegal – é tão simples quanto isso”. E uma vez no governo, mais uma vez o Sr. Anutin, anunciou que iria dar um milhão de plantas de canábis ao povo tailandês com a intenção específica de dar aos cidadãos e ao estado uma oportunidade de ganhar dinheiro com este negócio. Uma promessa, ao que parece, cumprida.

A lei que entrou em vigor removeu essencialmente a planta de canábis e todas as suas partes da Categoria 5 da Lei dos Estupefacientes. O que levou a uma efetiva descriminalização relativamente à produção, posse e consumo de canábis, resultando em mais de 4200 libertados da prisão. Este facto suscitou bastantes críticas por parte dos partidos da oposição e de alguns sectores da opinião pública. A estes ataques, o governo respondeu reiterando alguns pontos firmes, tais como a compra por indivíduos com menos de 20 anos de idade ou por mulheres lactantes, a menos que tenham autorização do seu médico assistente.

UMA ESPERANÇA PARA O TURISMO

A pandemia de Covid 19 foi um duro golpe para a economia global, e a Tailândia não foi exceção (de quase 40 milhões de chegadas estrangeiras em 2019 para pouco mais de 2 milhões na primeira metade de 2022). O encerramento das fronteiras e as restrições de viagem afetaram gravemente os seus rendimentos. Ao descriminalizar a canábis, o governo está abertamente a tentar ajudar a economia do país. A oportunidade dos agricultores e comerciantes tailandeses visarem o turismo interessado, não é um fator a subestimar (a Universidade de Comércio da Câmara de Comércio da Tailândia estimou receitas de até 1,2 mil milhões de dólares até 2025). E isto também é bem conhecido por muitas empresas e investidores estrangeiros que, tendo farejado o potencial do novo negócio, embarcaram no que parece ser, para todos os efeitos, uma autêntica corrida ao ouro. Um oeste selvagem, tal como definido por aqueles que gostariam de ver um regresso à situação anterior ou mais regulamentação, levou ao aparecimento de uma “zona cinzenta” em que não é fácil compreender o que é legal e o que não é.

USO TERAPÊUTICO

Apesar de o anúncio de Junho de 2022 poder parecer um raio do nada, na realidade, algo já estava em preparação há bastante tempo. Em Dezembro de 2018, o parlamento tailandês aprovou por unanimidade o uso da canábis medicinal.  O que trouxe de volta à margem da legalidade um uso que a medicina tradicional previa até à década de 1930. No essencial, com esta decisão, milhares de pacientes conseguiram aliviar dores crónicas e outros sintomas resultantes de doenças graves através de receitas médicas dos seus médicos de cuidados primários.

LICENÇAS

Atualmente, o cultivo da canábis é permitido aos cidadãos privados sem limites quantitativos. Quanto aos aspirantes a cultivadores que gostariam de saltar para este novo negócio, contudo, é necessário o registo no portal governamental PlookGanja. Um facto interessante e, à sua maneira, cómico é que no rescaldo do anúncio do governo, o portal caiu depois de receber mais de nove milhões de pedidos em menos de 24 horas. O episódio só pode fazer pensar no verdadeiro interesse de uma parte da população tailandesa por esta questão.

A ZONA CINZENTA E AS ÚLTIMAS RESTRIÇÕES

Porquê “zona cinzenta”?  Bem … porque, como muitos juristas argumentam, por exemplo, a descriminalização introduzida pelo governo não foi acompanhada de regulamentos sólidos que pudessem prever e evitar os vários incidentes desagradáveis em que um comprador ou consumidor possa incorrer. Embora a oposição e parte do público gostassem de reintroduzir a canábis na lista de substâncias ilegais, a possibilidade de uma inversão é considerada no interior do país altamente improvável.

Se quiseres evitar problemas, seria bom teres estes poucos pontos fixos em mente.

  • O uso recreativo da canábis é tolerado em espaços privados.
  • Todos os produtos derivados da canábis não devem exceder 0,2% de THC.
  • O uso da canábis não é permitido em público e pode resultar em multas de até 25.000 baht (cerca de 680 euros) e 3 meses de detenção.
  • A venda da canábis recreativa não é permitida a ninguém com menos de 20 anos de idade nem a mulheres amamentadoras.

Enquanto aguardamos mais esclarecimentos e desenvolvimentos, se estás a planear uma fuga para a Tailândia, só podemos desejar-te uma exploração pacífica deste oeste selvagem asiático e de todos os seus tons de cinzento.

Faz uma boa viagem.

Flor de CBD Small Friends
Tom Hemp's

Flor de CBD Small Friends

Select Options 23,00
Flor de CBD Amalfi Lemon
Tom Hemp's

Flor de CBD Amalfi Lemon

Select Options 9,00
Flor de CBD Alien Haze
Tom Hemp's

Flor de CBD Alien Haze

Select Options De 8,00
0
0
Adicionado
Ao carrinho
whats app