Let’s not leaf it to media – Sobre a apresentação da Canábis

A legalização da canábis na Alemanha está na ordem do dia. É uma utopia para alguns, mas continua a ser controversa para outros. Nem toda a gente está convencida de que a planta, que há muito se tornou mainstream, deva ter o direito legal de existir. A imagem da canábis nos meios de comunicação social é, por isso, unilateral. E, não raramente, unilateral. Com base no projeto de lei apresentado pelo Ministro da Saúde, Prof. Dr. Karl Lauterbach, em abril, um canal de televisão privado alemão dedicou duas noites seguidas ao tema da marijuana. Esperávamos ansiosamente por tudo isto… e ainda nos perguntamos o que se passa exatamente com o jornalismo justo na Alemanha. Mas vejamos o que vimos.

Com o projeto de lei para a legalização da erva em circulação, foi “soltem as hienas” para um espetáculo selvagem de argumentos. Se não soubéssemos que estamos a falar de uma planta que os médicos podem prescrever para fins medicinais na Alemanha desde 2017 como parte de várias terapias, alguns comunicados de imprensa poderiam deixar-nos com a ideia de que se trata de uma droga pesada ainda inexplorada. Mas não é o caso. Trata-se de uma planta cujos possíveis efeitos positivos no bem-estar foram agora comprovados em mais do que um estudo. A investigação sobre a canábis está a ser levada a cabo em grande escala em Israel, em particular, porque parece haver alguns países que estão a adotar uma abordagem progressiva a uma tendência imparável. Uma tendência que é muito mais do que isso. Na Alemanha, no entanto, as pessoas parecem continuar a andar em círculos com argumentos mais antigos do que os nossos antepassados. De certa forma, onde há vontade, não há caminho.

E porquê então criar uma representação mediática, longe de estigmas ultrapassados, quando um pouco de dramaturgia pode ser tão interessante. Bem… Bem-vindo a 2023. Aqui fala o vosso público. É certo que não é apenas do interesse do Ministro da Saúde que a Alemanha possa desempenhar um papel pioneiro na Europa em caso de legalização, em vez de deixar que leis adaptadas e socialmente apropriadas se desvaneçam ao vento. Mas se deixássemos a nossa formação de opinião totalmente sem questionar as reportagens na televisão, poderíamos não saber exatamente qual é a nossa posição, no melhor dos casos não na primeira fila do “Fernsehgarten”.

Um olhar sobre os vários cenários da legalização da canábis em todo o mundo

A nossa maratona televisiva começou com uma reportagem que dava a conhecer a forma como a canábis é tratada em diferentes locais do mundo. Começando por uma quinta de cultivo da planta na Alemanha, onde cada passo do processo de cultivo está sujeito às mais rigorosas precauções de segurança, a viagem continuou até àquela que continua a ser a terra do leite e do mel para os consumidores de marijuana: Amesterdão. “Sonho de Amesterdão que levou a esperança…” Cantado como uma canção de sucesso alemã, o sonho rebentou na bolha de um paraíso da máfia.

A legalização parcial da canábis e as cafetarias que a acompanham levaram a que o mercado negro alimentasse os consumidores em grande escala. E porquê? A venda a clientes de cafetarias é absolutamente legal. Mas comprar as flores necessárias não é. Porque a aquisição de formas legais de cultivo foi deixada de fora da equação. Legalização reduzida. Resultado duvidoso. Assim, os proprietários gerem o seu negócio legalmente, mas têm de obter os seus produtos ilegalmente através do mercado negro. E, passados mais de 40 anos, isto conduziu a condições semelhantes às de um cartel, que prevalecem atualmente na Holanda. Por isso, está previsto um projeto-modelo, muito semelhante ao planeado na Alemanha, em que municípios selecionados controlam tanto o cultivo como a distribuição, como parte de uma mudança ponderada que tem de acontecer. Os excertos do país vizinho terminam, entre outras coisas, com a citação de Paul Depla, presidente da câmara da cidade de Breda: “Façam a legalização de uma só vez. Caso contrário, acabarão por ter os mesmos problemas que nós”.

Bastante justo. Também o relato do cenário da Tailândia. Ali, depois da pandemia, a canábis foi considerada uma atração turística e a despenalização foi libertada da forma mais rápida possível. O resultado é uma selva de regulamentos em que ninguém sabe realmente o que é permitido, não permitido ou simplesmente absurdo. Um polícia dá-nos a conhecer a sua nova vida como proprietário de um clube de canábis e rapidamente compreendemos que a alteração da lei não é necessariamente recomendável sem um sistema de orientação funcional.

O negócio da erva em expansão na América e as suas dificuldades

Do outro lado do globo, encontramos Ali Jamalian, que passou de traficante ilegal de erva a milionário de sucesso graças à legalização da canábis em 23 estados dos EUA. E como o negócio em expansão não é segredo, Ali relata o número crescente de assaltos a lojas de canábis. Uma vez que os bancos ainda não permitem a transação com a popular planta, somas avultadas de dinheiro acumulam-se e tornam-se uma atração inevitável para os assaltos. Mas isso não é culpa da canábis, mas sim da falta de condições de enquadramento. Mas também é um facto que, desde a legalização, se registou uma quebra no mercado negro de cerca de 25 por cento. No Canadá, esse valor chega aos 70 por cento. E é e tem sido apresentado como exatamente tão positivo quanto parece.

Fair play. Como quase tudo no relatório de Jenke von Wilmsdorff. Crítico, mas orientado para os factos, trouxe um tema que nos preocupa diariamente a um público alargado. O que é fascinante nas opiniões é o facto de existirem tantas opiniões diferentes, e descobri-las é a parte mais interessante da reportagem para nós.

A apresentação questionável da Canábis

E foi exatamente isso que nos escapou na noite seguinte. No contexto de um jornal semanal de dois apresentadores, voltámos à ideia de que a canábis é uma droga demonizada. Não só a utilização da palavra como tal foi irritante desde o início, mas também a introdução ao tema. Se a legalização e a introdução associada de clubes de canábis deveriam ser um espaço seguro ou antes um paraíso do mercado negro de drogas e armas. Esta questão foi investigada com câmaras ocultas na joia espanhola de Barcelona. Esta é, por si só, uma visão unilateral de uma questão demasiado complexa. As associações de canábis são os locais de distribuição de marijuana que devem ser criados na Alemanha como parte do primeiro pilar da legalização. Uma associação deste género não pode ter quaisquer rendimentos. Haverá um controlo rigoroso.

Os clubes sociais – existem 214 registados em Barcelona, capital da Catalunha – são a contrapartida dos clubes previstos na Alemanha. Há uma pequena e subtil diferença: na Alemanha, terão como único objetivo a aquisição de bens, mas não haverá a possibilidade de consumir no seu interior. Por exemplo, foi afirmado que não se sabia se também se podia fumar erva num clube visitado em Barcelona. Com a intenção de informar, era suposto isto fazer parte de uma investigação anterior, não era?

Espanha e o problema da descriminalização parcial da canábis

Faltou também explicar porque é que em Espanha também só é possível obtê-la no mercado negro. Seria, de alguma forma, legítimo salientar que os regulamentos também não permitem um canal de aquisição legal aqui. Ou será que nos falta apenas o lado menos escuro da lua?  O tom faz a música. E isto dá a impressão de que a canábis deve ser equiparada a estupefacientes fortes, sem o necessário aspeto de diferenciação. Mas o objetivo da legalização é precisamente criar um mercado regulado. O acesso é negado aos jovens e a prevenção, em vez da ignorância, assegura uma utilização responsável.

Por isso, para nós, parte da utopia não é apenas a legalização, mas também uma informação justa sobre a canábis. E, infelizmente, isso ainda não é uma questão natural. A visão crítica é indispensável, porque há definitivamente aspetos que precisam de ser regulamentados e, claro, certas preocupações são mais do que justificadas. Mas tal como todos os factos que, globalmente, levam a que a canábis seja legalizada em cada vez mais países.

Vocês gostam de nos divertir… nós gostamos de ser justos.

%
Flor de CBD Gorilla Glue
Tom Hemp's

Flor de CBD Gorilla Glue

Select Options De 9,508,07
Flor de CBD Purple Berry
Tom Hemp's

Flor de CBD Purple Berry

Select Options De 9,00
Flor de CBD Small Friends
Tom Hemp's

Flor de CBD Small Friends

Select Options 23,00

Photo: Branko Devic / Shutterstock

0
0
Adicionado
Ao carrinho
whats app